Janeiro 19 2018

SÉRIE MAGNUM MAX É SUCESSO NA ARGENTINA

Alta qualidade e mobilidade

Este ano, a indústria rodoviária está batendo os recordes de vendas e colocação de asfalto na Argentina, enquanto as empresas renovam suas frotas de equipamentos: quase 50 usinas de asfalto de alta produção entraram no país nos últimos meses. Em todos os casos se trata da tecnologia mais moderna nessa categoria.  Por exemplo, perto da cidade de Buenos Aires, Arrecifes, a JCR S.A. instalou recentemente uma usina de asfalto Magnum 160 MAX, o modelo de maior produção da nova série Magnum MAX lançada pela MARINI Latin America em março para o mercado internacional.

Este equipamento de última geração, que agora produz material para o recapeamento da rota nacional 8, é distribuído no mercado Argentino  pela Bamac S.R.L., uma empresa que desde 1992 colocou cerca de 90 usinas de asfalto no mercado argentino.

MAIOR PRODUÇÃO. BAIXO CUSTO

A linha branca das usinas Magnum (como a usada pela Rovella Carranza S.A recentemente para pavimentar a rota Transchaco no Paraguai) já era conhecida por sua implementação bem sucedida no país. No entanto, para mostrar os diferenciais de maneira aparente “as novas Usinas Magnum MAX incorporaram a imagem padrão em amarelo, que é característica da Divisão FAYAT e o nome MAX, que representa a evolução em vários componentes”, disse Alberto Messina, gerente de vendas da Bamac de seu escritório em Buenos Aires. De qualquer forma, de acordo com o executivo, não obstante em oferecer muitas inovações eletrônicas e dispositivos de segurança integrados, as novas usinas MARINI mantém o conceito de produção original estabelecido internacionalmente para fabricar qualquer tipo de mistura asfáltica de alta qualidade. Hoje em dia, a nova série contínua Magnum MAX está em conformidade com os modelos que cobrem gamas de produção de 80-160 t / h. Todos os equipamentos são muito adequados para altas performances, proporcionando alta mobilidade e facilidade de operação: “Estas máquinas são equipadas com sistema de controle totalmente automatizado, tornando a operação simples e intuitiva, garantindo excelente qualidade do produto final.” Além disso, ao contrário de outros tipos de usinas, “as usinas Magnum são muito fáceis de montar, desmontar e reposicionar, permitindo-lhe grande agilidade aos contratos de pavimentação e, especialmente, aos empreiteiros que precisam abranger várias frentes de trabalho”, disse Messina .

Ou seja, ao contrário das usinas fixas, as usinas MARINI são montadas em um chassi com rodas de pneu, consolidando um design totalmente móvel e garantindo além de um deslocamento econômico, uma redução significativa de obras civis e mão de obra. Do mesmo modo, “elas operam em uma pequena área, onde é necessário realizar apenas a compactação de uma base de instalação. Quando o trabalho é concluído, o equipamento é ligado a um caminhão e muda de posição”, concluiu o distribuidor local.

Cabe salientar que o sistema de contra fluxo da série Magnum MAX garante a secagem e a temperatura desejadas de qualquer agregado, para posterior mistura com o ligante, enquanto o design do secador garante que o RAP não entre em contato com a chama do queimador. Também se destaca que estas usinas usam um filtro de ar equipado com mangas de Nomex e um misturador habilitado para trabalhar com todos os tipos de asfaltos convencionais e modificados e também misturas quentes, com a eficiência e precisão fornecidas pelo queimador Hauck, reconhecido mundialmente como um dos melhores na indústria.

SÉRIE MAGNUM MAX MARINI

A fábrica BOMAG MARINI Latin America (anteriormente Cifali & Cia, CMI Corp. e Terex), que hoje no país é representada pela Bamac SRL, está situada na cidade de Cachoeirinha no Brasil e, desde 2013, pertence à divisão de construção rodoviária do Grupo FAYAT, fornecedor de uma ampla gama de equipamentos de construção rodoviária, que também tem o know-how de outras fábricas de prestígio como a MARINI (Itália) e a BOMAG (Alemanha). Assim, todas as equipes do grupo FAYAT usam tecnologias avançadas e atendem aos critérios mais exigentes em termos de confiabilidade, segurança, rentabilidade e proteção ambiental. A empresa continua desenvolvendo soluções relevantes para a indústria de equipamentos, para construção de estradas e processamento e tratamento de asfalto.

INOVAÇÕES

Basicamente, a indústria de asfalto utiliza usinas que fazem o material de acordo com as especificações exigidas através de um processo de dosagem, aquecimento e mistura de agregados. O equipamento Magnum MAX que a MARINI acaba de lançar no mercado internacional são usinas dos tipos contínuo e móvel, com deslocamento e instalação muito rápidos. Essa característica destacou Messina, “as torna ideais para atender clientes que exigem produção de mistura de asfalto de forma contínua e eficiente, devido a seu fácil movimento, mantendo os custos operacionais baixos e sem negligenciar a qualidade ou segurança”. Do mesmo modo, considerando as novas tecnologias desenvolvidas pela indústria rodoviária, os novos projetos devem prever, por exemplo, a possibilidade de trabalhar com filler (cal hidratada ou cimento) ou fibras e é por isso que nas usinas Magnum MAX, o misturador tem uma janela lateral.

A engenharia da BOMAG MARINI Latin America também ressaltou que o uso de material reciclado (RAP) é cada vez mais consolidado nos mercados, como uma aplicação sustentável e economicamente vantajosa. Para que as usinas da linha Magnum MAX tenham como equipamento padrão um acesso (anel) para o RAP no secador, podendo processar até 30% deste material, enquanto o design do secador garante que o RAP não entre em contato com a chama do queimador, fazendo com que os gases gerados na troca de calor entre o RAP e os agregados virgens quentes incinerem antes de ir em direção ao filtro de mangas. Algumas aplicações requerem troca de calor entre agregados quentes e fibras (para produzir SMA). Para isso, o uso do anel de reciclagem é a maneira mais apropriada dependendo do tempo de mistura seca entre os componentes. Vale ressaltar que o sistema de secagem de retorno e o filtro de ar equipados com mangas de Nomex garantem maior durabilidade, bem como a possibilidade de trabalhar com temperaturas mais elevadas, como as necessárias em misturas com asfalto modificado com polímero.

MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA

Entre as tecnologias incorporadas que preservam o meio ambiente, essas máquinas estão equipadas com um sistema de filtragem (filtro de mangas) que retém as partículas sólidas provenientes da secagem e as incorpora na mistura, evitando a descarga na atmosfera. No caso das usinas Magnum, o novo sistema de elementos filtrantes garante uma emissão de partículas de menos de 50 mg / Nm3, de acordo com os padrões internacionais. Já em operação, o processo através do filtro de mangas é realizado em duas etapas. A primeira retenção de partículas é produzida no secador com o sistema Venturi, onde as partículas maiores do que a peneira # 200 são armazenadas devido à baixa velocidade dos gases e são reintroduzidas no processo de mistura, diretamente no secador. O segundo estágio de retenção de partículas é realizado na entrada do filtro de mangas, que tem uma placa de alta resistência mecânica e recebe as partículas menores através da peneira # 200. Este sistema diminui a velocidade dos gases que continuarão com os finos até os elementos filtrantes. O processo de limpeza das mangas é realizado por meio de válvulas com pulso de ar comprimido. Também em consideração àqueles que trabalham perto de uma fábrica Magnum, em termos de segurança, agora foram incluídas proteções para todas as partes móveis, a fim de evitar acidentes durante o processo de produção da usina. Além de ter a possibilidade de operação manual, a flexibilidade de operação com o sistema automático é simples de usar.

MOBILIDADE E ECONOMIA

As usinas Magnum da MARINI Latin America foram desenvolvidas em chassi único de design totalmente móvel, rebocável e capaz de circular pelas rotas argentinas, garantindo um transporte fácil e econômico entre obras, sendo este design também uma excelente solução para a redução de obras civis em sua localização, exigindo menos uso do trabalho. A série Magnum também tem menores custos de manutenção e maior durabilidade de seus componentes, garantindo a rentabilidade da usina ao longo de sua vida útil; por exemplo: as aletas podem ser removidas e / ou adicionadas para obter um ajuste perfeito para qualquer aplicação, e o misturador com todas as aletas feitas de aço especial de alta resistência ao desgaste, tem uma vida útil de até 300 mil toneladas de produção. A propósito, também é planejado um acesso remoto da fábrica para a realização de diagnósticos e atualizações de software.

A USINA MAGNUM 160 MAX COMPACTA PARA SEU DESLOCAMENTO

DOSAGEM EFICIENTE DOS ÁRIDOS

Conforme relatado pela fábrica, a dosagem de agregados em uma usina Magnum MAX é individual e através de células de carga centralizadas, alimentadas por moto redutores e com controle de velocidade por inversor de frequência para garantir a proporção correta de agregados. Dependendo da configuração e do modelo, uma usina da série MARINI Magnum MAX pode ter de 3 a 5 silos com volumes individuais entre 6 e 10 metros cúbicos. As características gerais do sistema são:

  • Comunicação de rede CANopen
  • Amortecedor mecânico com ajuste para a pesagem de agregados
  • Alta eficiência na pesagem dinâmica
  • Célula de carga centralizada individual para cada silo de pesagem
  • Design que facilita o fornecimento de agregados e com ângulo ideal para o fluxo de material
  • Abertura ampla para agregados de alimentação
  • Motor de engrenagem instalado no rolo dianteiro, com velocidade variável por conversor de frequência
  • Vibrador automático no silo 01 (padrão) e opcional nos outros silos
  • Bandas dosadoras planas com laterais vulcanizadas
  • Tela vibratória (opcional)

O equipamento que está operando em Arrecifes (na imagem, silos da usina Magnum 160 MAX de JCR SA) é montado em 3 eixos e 12 pneus, vem de série com 4 distribuidores de compartimentos separados e montado em outro chassi de 1 eixo, secador do tipo de refluxo e filtro de mangas de 480 unidades (Nomex). Também vem com anel para entrada de material reciclado. De acordo com o fabricante, esta usina pode produzir até 160 t / h, vale a pena esclarecer que a produção da usina é variável e depende de vários fatores, como a umidade dos agregados, altitude do local de instalação, porcentagem de finos da mistura, temperatura da mistura, valor calorífico do combustível e carga específica dos agregados.

Fonte:

Revista El Constructor, 23 de outubro de 2017, páginas 55 e 56.

Diposnível em: Revista El Constructor

Revista M&T, Ed. 219, páginas 42 a 48.

Disponível em: http://www.revistamt.com.br/index.php?option=com_conteudo&task=viewEdicao&edicao=219

aline-jose

1 comment

  1. Buen artículo. Quedo a disposición, por futuras comunicaciones de prensa.- Un saludo afectuoso.- Gustavo Pizzo – Redacción – El Constructor – BA-ARG

    Responder

Escreva uma resposta ou comentário